Para Dante entrevista Ronan Romma | Apaixonei-me pelo meu ídolo – Para Dante Blog
Blog
15 de junho às 09:00
Para Dante entrevista Ronan Romma

Ao sair, uma oração. Nas costas, meu violão. E quando voltar pra casa, deito com a certeza de que estou cumprindo minha missão

Fala galera! Olha só quem está de volta com as entrevistas que você tanto amam e torceram pra estarem de volta! Nossa entrevista de hoje é com um aspirante à publicitário de 21 anos, que bateu um papo super bacana com a gente e que dividiu conosco um pedacinho da sua história. Preparem o coração pois eu garanto que essa é uma das entrevistas mais emocionantes que vocês já leram por aqui.

Ronan começou a tocar com um pouco mais de apenas 6 anos de idade, uma das provas que desde pequeno, ele já tinha uma paixão enorme pela música! Mesmo muito novo, com 14 anos, ele já tocava nas noites e passou por inúmeras experiências entre duplas, bandas e etc.

Atualmente a vida do cantor/compositor é completamente corrida, o quase publicitário, faz atualmente sua graduação na Universidade Presbiteriana Mackenzie e também trabalha na Leroy Merlin, não parando por aí, ele ainda desenvolve um freelancer de Social Media, na parte de redes sociais há uns 7 meses. E sim! Ainda sobra tempo pra ele cantar durante a noite e mostrar todo o seu talento por onde passa, será que ele ensina pra gente como ele faz esse milagre pra multiplicar o tempo?

Com um novo trabalho saindo do forno, ele não hesita em cuidar de cada detalhe de sua carreira e está sempre atento com tudo, as noites que eram dormidas por inteiro, dominam a ansiedade e os tempos vagos entre uma pausa e outra no dia a dia, são usados para focar 100% em tudo o que envolve seu coração e a música.

O Ronan fora dos palcos é o mesmo do seu dia a dia, amante da vida e que valoriza todas as coisas e as pessoas ao seu redor: família, trabalho, amigos, namorada (que ainda é assessora de imprensa nas horas vagas), ele é infinitamente grato por tudo e todos ao seu redor, e você vai conhecer um pouquinho mais dele agora, lendo comigo a entrevista abaixo:

Para Dante: O que motivou a existência do amor pela música que você possui?

Ronan Romma: O meu amor pela música é nato, eu não passei a amar a música sabe? Ela sempre existiu dentro de mim e ao longo do tempo, ela foi me mostrando, foi se manifestando… Um fato curioso é que o meu nome, Ronan, minha mãe, quando estava escolhendo os nomes, viu no jornal, não sei se era um piano ou um pianista que tinha o mesmo nome, mas enfim, isso marcou muito ela e acredito que a minha história já comece daí sabe? Depois disso eu passei a me apaixonar pelos sonos que eu ouvia e foi indo… Eu tenho certeza que o amor pela música sempre existiu dentro de mim.

Para Dante: Você já se imaginou realizando outras atividades distantes do ramo musical profissionalmente? Qual? (is)?

Ronan Romma: Eu gosto de criar coisas! De compor, sabe? Então uma profissão que eu me identifico é a Publicidade. É uma área que eu posso criar, inventar, utilizar elementos como o audiovisual, enfim… Querendo ou não, é um ramo que se aproxima muito  da música em alguns aspectos, justamente por criar e envolver pessoas. Essa capacidade de tirar um sentimento das pessoas é incrível, são duas áreas que fazem muito isso.

Para Dante: Você acha que um artista precisa ter algum destaque essencial para ganhar espaço?

Ronan Romma: Eu acredito que em primeiro lugar, ele precisa acreditar nele mesmo. Eu penso muito que se não acreditarmos em nós mesmos, ninguém vai acreditar. O primeiro passo pra qualquer artista é acreditar nele mesmo, que ele pode sim fazer melhor sempre! E ele tem que AMAR, amar de verdade aquilo que faz, porque quando fazemos algo com amor, vamos ser reconhecidos por aquilo. É muito diferente quando a gente vê alguém trabalhando com amor em algo que ela goste, a gente pensa: “poxa, ela realmente gosta de trabalhar com aquilo”. Isso diferencia muitas pessoas que tem por aí, principalmente na música, a gente vê muito, muito mesmo! Existem pessoas que simplesmente fazem por fazer, não existe explicação. Então amar a música em todos os sentidos, gostar de tudo, como o brilho no olho e paixão é o que faz  artista se destacar. Porque talento é algo muito relativo hoje em dia sabe? Ás vezes o que é bom pra mim, não é bom pra você, o que é talento pra mim, pode não ser pra você, é aquilo do “gosto não se discute”, então como eu vou falar: aquele cara é melhor que o outro? ele é melhor em quê? Algumas coisas são parâmetros sabe? Mas não são essenciais.

Para Dante: Quais as maiores dificuldades que você já encontrou ao longo da sua caminhada?

Ronan Romma: Eu já encontrei muitas! Muitas mesmo! Na música, não existe um manual que você deve seguir você tem que aprender fazendo, com os erros, dificilmente vai acertar nas primeiras tentativas. Por mais clichê que isso pareça, as pessoas enxergam apenas o resultado final e dizem “nossa, mas é tão simples? É apenas gravar e postar?” Não é tão simples assim, ainda mais quando lidamos com assuntos mais delicados como “direitos autorais” participações de outros artistas, enfim! São inúmeros detalhes… Jurídicos, artísticos, portas que se fecham pra você… Existem os shows que você acaba fazendo por saber que vai ser essencial em sua carreira e acaba fazendo até mesmo sem receber, tendo que “arcar com tudo”. Dificuldades tem muitas, mas cabe a nós enfrentarmos elas, até como forma de crescimento. Hoje eu enxergo isso, em questão de amadurecimento também… E eu acho que os artistas de modo geral deveriam se ajudar mais, serem mais unidos. Hoje em dia é tudo muito oculto, escondido, é um universo muito misterioso, onde quem sabe não conta, as vezes eu penso “será que precisa de tudo isso? Se as pessoas se ajudassem, não seria muito melhor?” Se todo mundo se ajudasse seria diferente. Costumo dizer que um trabalho a “quatro mãos” é bem melhor do que duas. Hoje muitos artistas tem surgido, tem se dado bem, mas acredito que falta essa orientação, essa ajuda.

Para Dante: A maioria dos artistas possui outros como inspiração. No seu caso, qual (is) deles se tornam referência?

Ronan Romma: Sim, muitos artistas possuem inspirações/referências. Eu tenho algumas pessoas e seria injusto dizer que eu tenho apenas um ídolo sabe? Eu tento extrair minhas referências de uma maneira diferente, não gosto de só falar “ah, gosto daquele cara porque as músicas dele são boas”, eu tento enxergar todos os artistas de modo geral e de tirar o melhor de todos eles. Por exemplo, o Lucas Lucco é um dos meus maiores ídolos, já tive a oportunidade de conhecê-lo, ele é uma pessoa extremamente humilde, é um cara que eu vejo brilhar, é uma referência sim pra mim. Ele já passou por inúmeras dificuldades e teve a humildade em expor elas e dizer que as venceu. Existem outros artistas e bandas que eu também gosto de extrair essas referências. Também gosto de música clássicas, que é um estilo pouco explorado hoje em dia. Eu busco muito além da questão artística, procuro ver o que elas passam além disso, gosto de ver como elas somam no mundo, eu gosto disso, eu quero acrescentar no mundo. Eu procuro ver esse outro lado… Quando chegar minha vez e eu sei que vai, quero fazer isso. Um artista ganha tanta coisa boa sabe? Porque não compartilhar esse amor com quem precisa?

A sombra do violão é refletida no meu coração, que espalha em notas todo esse amor que apresento em canção. (Foto: Reprodução/ instagram @ronanromma)

Para Dante: As suas composições transmitem, em parte, os seus sentimentos, vivências e/ou fatos que você presencia? Qual delas representa algo bem marcante pra você?

Ronan Romma: Até o momento, todas que eu lancei e vou lançar são autorais. Faço as composições com base no que eu vivi, ou no que uma pessoa próxima já viveu… Ou até de sentar em algum lugar público o na faculdade, no metrô… E ver como essas pessoa se sentem… Isso me inspira. Eu gosto muito de contar histórias, gosto de descrever o que elas sentem. É difícil escolher só uma, cada uma delas reflete algum momento que eu já vivo. A próxima música que eu vou trabalhar agora nesse novo projeto, é uma das músicas que talvez seja a da minha carreira, sabe? Talvez você possa pensar que ela é diferente das outras. Mas eu digo que é o prazer absurdo que eu tenho em cantá-la, uma sensação única. Quando eu criei ela, eu tava com a lera na cabeça, com a melodia e eu precisava passar isso pro violão, e eu não sabia como fazer isso, eu não sabia o que ia fazer e só fui “arranhando”, e do nada ela veio. Eu tava com o gravador ligado, eu sempre deixo quando estou criando, e ela veio de uma vez só! Foi incrível, eu não precisei mudar, ela foi natural. Ela faz parte de mim. É uma história que não foi vivida por mim, foi por um amigo, mas quando eu canto, eu sinto algo único.

Para Dante: Com qual estilo você mais se identifica?

Ronan Romma: Hoje é o pop, talvez um “popnejo”. Minhas letras são mais românticas, acho que é mais um pop sofrência (risos) vamos dizer assim, mas enfim! Eu estou em um momento de descoberta de passar por novas experiências sabe? Eu gosto de misturar estilos. Acho que devemos sair de “fora das caixas” as vezes, então eu tô vivendo esse momento.

Para Dante: O que você sente quando está em cima dos palcos?

Ronan Romma: É algo muito louco, não sei explicar. Tem hora que eu sinto vontade de chorar, em outras de sorrir, em algumas de pular. Quando eu estou em cima do palco eu gosto de viver aquele momento. De sentir aquela emoção ali, naquela hora. Se você me pedir pra descrever em uma frase o que eu sinto quando eu estou em cima dos palcos, eu diria: eu estou cumprindo o meu papel, fazendo o que eu tenho que fazer nessa vida. Porque o mundo pode estar acabando, se eu subir em cima do palco, tudo da um pause, tudo para, fica mágico. Essa é a frase que se destaca. Ali no palco está o verdadeiro “eu”. Eu vou continuar fazendo isso o resto da vida! É o momento que eu tenho pra me libertar, me sentir bem. É um encontro comigo mesmo. É maravilhoso ver as sensações que eu causo das pessoas. Essa troca é mágica.

Para Dante: Se você pudesse realizar um sonho agora, qual seria?

Ronan Romma: De verdade eu acho que eu venho realizando meus sonhos a cada dia, a cada show eu me realizo, a cada inspiração eu me vejo realizando um sonho. Independente de famoso ou não, eu só quero que a minha música possa salvar alguma vida, reatar algum relacionamento, que a pessoas possam parar e refletir algo/alguém, esse é o meu sonho! O meu sonho não é ser famoso ou ter sucesso porque eu já me considero uma pessoa de sucesso, eu tenho saúde, eu tenho uma casa, uma família, meus instrumentos, pessoas que eu amo por perto, minhas músicas, eu tenho meus shows, eu sou uma pessoa de sucesso. Eu falo uma coisa que é o seguinte: o que é sucesso pra você? Então, eu acho que hoje em dia as pessoas dizem que o sonho é ser rico e ser de sucesso. Mas será que ter sucesso é isso? Meu sonho é ajudar as pessoas, é fazer com que a vida delas mudem e passem a ter sentido.

Para Dante: Qual a melhor experiência que você já viveu?

Ronan Romma: Eu já vivi experiências incríveis, já toquei pra várias pessoas, eu nunca imaginei que seria tão incrível. Eu conheci pessoas desse mundo que são fantásticas sabe? Todas são incríveis! São únicas são, sensações completamente incríveis e diferentes. As vezes pensamos que “Ah, tocar no Maracanã pra várias e várias pessoas vai ser a melhor experiência da sua vida”, mas só de uma pessoa chegar e te agradecer a tocado de alguma forma já se torna único sabe? As melhores experiências são constantes e eu acho que eu ainda vou ter muitas experiências ainda. Peço a Deus que ele me dê muita saúde que eu possa continuar vivendo isso tudo. Cada vez mais.

Uma vez me perguntaram o que eu mais gostava quando entrevistava as outras pessoas. Gosto de responder que é poder fazer parte da história delas de alguma forma. É poder mostrar pra todos os leitores a simplicidade e a humildade que ambos carregam em seu coração.

Pessoas como o Ronan, nos mostram que a simplicidade vai além do que muitos podem ver, vai além do que muitos conseguem enxergar, pessoas como ele, nos ensina que a música vai muito além que saber “cantar”, é apenas sentir e ter amor ao que se faz!

Agradecimentos: Em especial, não poderia deixar de agradecer ao Ronan, pela simpatia, humildade e simplicidade em ter compartilhado um pouco sobre a sua história e por ter feito isso com tanto amor. Sabemos que pessoas assim como ele vai imensamente longe e esperamos que todas as pessoas possam sentir sua simplicidade e sua verdade como nós sentimos! E não poderíamos deixar de agradecer também, a intermediadora de tudo, que instruiu o primeiro contato e acompanhou esse processo com a gente, a Ana Carolina, ou melhor, a Aninha, fez parte disso tudo, que foi a mediadora e uma amiga que temos em comum.

Mais uma vez, Ronan, nós da equipe Para Dante, e eu, Larissa, desejamos a você um sucesso irreparável, muita luz, um caminho abençoado, com muito amor e que todas as pessoas possam se sentir tocadas por sua música. Nós estaremos sempre de portas abertas pra você, volte quando quiser que vamos adorar compartilhar com você seus novos caminhos!

Sigam Ronan Romma nas redes sociais e você pode ir direto para o instagram dele para acompanhar todo o seu trabalho clicando aqui. Ah! Não podíamos deixar de revelar o mais importante: a música de trabalho do nosso entrevistado sai em breve e nós já estamos atentas em fazer uma divulgação super bacana pra trazer pra vocês!

Fiquem com Deus, e até a próxima semana!

Larissa Santos

Compartilhe:  
Batalha de Ídolos
Instagram