Com a mala carregada de lembranças – #Diáriodeviagem2 | Apaixonei-me pelo meu ídolo – Para Dante Blog
Blog
26 de setembro às 09:11
Com a mala carregada de lembranças – #Diáriodeviagem2
Meu nome é Amanda do Nascimento Nunes, tenho 18 anos, sou fã do Jefferson Moraes e essa é a segunda vez que viajo ao seu encontro.
O “diário de viagem” desse ano começou quando faltando pouco mais de um mês, uma amiga viu no aplicativo da casa de shows o anúncio com ele e o Israel Novaes. Na mesma hora tive a certeza que iria e corri para iniciar os planos com minha melhor amiga (Júlia) que também é fã dele e mora na cidade do show. O que mais pensávamos era se ia acontecer como da outra vez (em setembro de 2016) que tudo seu certo e saiu do jeito planejado.

Viajei de Campina Grande/PB para João Pessoa/PB dia 15/06/17 no ônibus das 8h. Cheguei por volta das 9h45min e ainda passei uns minutos esperando minha amiga ir me buscar.
A sexta dia 16/06 (dia do reencontro) começou com a notícia que ele estaria em uma das emissoras locais. Ainda pensamos em chegar até lá, mas desistimos e preferimos esperar a tarde para ir ao hotel. Foi aí que o vento conspirou contra nós. Ao entrar no hotel nos informaram que fazia menos de 3min que o Jefferson tinha ido pro quarto. Insistimos para chamarem, mas ficaram colocando dificuldade. Entreguei o presente a um dos homens da equipe e eu e a Júlia ficamos nos olhando para decidir o que faríamos. A ideia do abraço no hotel falhou. Seguimos pro shopping. Eu estava decepcionada, xingando tudo e todos.
A noite, hora do show, chegamos no local por volta das 22h30min, mas a casa só abriu depois das 23h. Encontramos o pessoal da banda, falamos com eles e aguardamos em um dos lounges que tinha. O show iniciou entre 1h30 e 2h da manhã. O Jefferson estava L-I-N-D-O, entrou com seu sucesso “Beber com Emergência” e com poucos segundos já foi pegando minha mão e agradecendo o carinho. O show foi perfeito como só ele sabe ser. Ganhamos flor, toalha e muita reciprocidade. Fim de show. O guitarrista falou que o assessor pegava a gente para ir ao camarim. Esperamos um bom tempo e nada, até que um anjo que trabalha pra Áudio Mix Nordeste apareceu e contou que o Jefferson estava no meio do povo. Então lá fomos nós procurar nosso cantor. Não precisamos andar muito para avistar aquele “topete” e reconhecê-lo. Minha amiga é bem mais tímida que eu, portanto fui logo batendo a flor na cabeça dele para chamar sua atenção. “Para de bater ou!” – MORAES, Jefferson. Abraçamos, conversamos e tiramos as selfies diretamente do celular dele (que enviou no outro dia por direct!) porque a câmera do meu estava péssima. Também conhecemos o seu melhor amigo, Otácio Neto, temos um fã clube para eles (e para outro amigo – Gilson Medeiros), o @triomagya.

Voltei para minha cidade no domingo a tarde. Trouxe a mala carregada de lembranças e de amor. Ah, mas sem a flor que bati no Jefferson. Perdi ela no uber voltando do show kkkkk.
Resumindo, Deus fez a gente passar por aquilo no hotel na intenção de avisar: “Ei, não faz planos, confia em mim que vai dar tudo certo e vai ser bem caprichado!” Esse momento pra mim é definido na palavra: GRATIDÃO. Primeiramente a Deus, segundo a minha amiga que me recebeu em sua casa e viveu tudo isso comigo, e claro ao Jefferson por me proporcionar essas loucuras, o melhor final de semana do ano.
Compartilhe:  
Batalha de Ídolos
Instagram